Regimes Cambiais: O que são e como afetam a economia

Regimes Cambiais: O que são e como afetam a economia

Em um contexto empresarial direcionado para o comércio exterior, entender os regimes cambiais é de suma importância para a eficiência operacional e estratégica das organizações.

Isso porque esses regimes possuem implicações diretas e significativas para as empresas que trabalham com transações internacionais.

Neste sentido, conhecê-los de forma aprofundada é vantajoso para as organizações tomarem decisões assertivas e contarem com uma gestão de comex eficiente, o que pode significar um diferencial competitivo no mercado.

Portanto, continue a leitura para aprender mais sobre os regimes cambiais no Brasil, os tipos existentes e como funciona uma taxa de câmbio!

O que são Regimes Cambiais?

Os regimes cambiais dizem respeito às políticas e acordos que indicam como a taxa de câmbio de uma moeda nacional em relação a outras estrangeiras é administrada nas transações financeiras entre os países.

Popularmente conhecido como sistemas cambiais, esses regimes estabelecem as regras seguidas pelo país para lidar com questões relacionadas à própria moeda em negociações financeiras internacionais.

Um exemplo bem simples: são esses sistemas que estabelecem o valor do real comparado com o dólar ou outra moeda estrangeira.

Então, é possível afirmar que eles são o meio pelo qual a taxa de câmbio é feita, entende?

É interessante ressaltar que os países são responsáveis por adotarem regras de câmbio condizentes com as próprias políticas monetárias e a realidade econômica.

No Brasil, por exemplo, os regimes cambiais ficam sob responsabilidade do Banco Central do Brasil (BACEN), mas outras instituições financeiras e casas de câmbio também podem colocar as medidas em prática.

Leia também: KPI no Comex: o que é, benefícios e quais são as principais [Guia]

Tipos de Regimes Cambiais

Existem diversos modelos de regimes cambiais e cada um possui as próprias características. 

Neste sentido, eles são escolhidos pelos países conforme as metas econômicas e realidades monetárias deles. Por isso, vale a pena conhecer os principais, que são:

  • Câmbio Fixo;
  • Câmbio Flutuante;
  • Banda Cambial.

Vamos falar mais detalhadamente sobre eles agora.

Câmbio Fixo (ou Pegged)

Neste tipo, o valor da moeda do país é fixado em referência a uma moeda estrangeira específica ou mais. Por essa razão, recebe o nome de Câmbio Fixo.

Dessa forma, o Governo ou o Banco Central ficam responsáveis por deixar a taxa de câmbio fixa por meio de intervenções no mercado cambial para comercializar a própria moeda e manter os valores dentro dos limites acordados.

Ou seja, o órgão ou instituição financeira compra e vende a moeda nacional para estabilizar a oferta e demanda, o que ajuda a deixar a taxa de câmbio constante.

Logo, uma das principais finalidades deste tipo de regime é oferecer uma estabilidade de preços com a vinculação a uma moeda mais estável. 

Assim, o país consegue evitar oscilações no câmbio.

Câmbio Flutuante (ou Livre)

Regimes cambiais: saiba o que são e conheça os tipos

Ao contrário do Câmbio Fixo, o Flutuante determina a taxa de câmbio de acordo com a oferta e demanda do mercado. 

Isso significa que o preço não é fixado, e sim livre para oscilar conforme a influência de investidores, empresas e demais integrantes do mercado cambial.

Neste tipo de regime, o Governo pode realizar algumas interferências estratégicas para conter a volatilidade da taxa e controlar a inflação, por exemplo.

Mas, no geral, é um sistema que reflete as expectativas de investidores, questões econômicas, eventos mundiais com relevância política e outros aspectos que influenciam na oscilação da moeda.

Dentro dos regimes cambiais no Brasil, esse modelo é o vigente, com mínimas intervenções quando o Governo entende que é preciso.

Banda cambial

No regime de Banda Cambial, o valor da moeda pode flutuar dentro de uma faixa estabelecida pelo Banco Central.

Desse jeito, se a taxa de câmbio exceder esse limite determinado, o órgão ou instituição financeira intervém para comercializar a moeda internacional.

Então, é permitida a volatilidade da taxa de câmbio, mas sempre dentro da faixa colocada pelo país.

A influência dos Regimes Cambiais no comércio internacional

Os sistemas cambiais possuem uma relevância enorme no comércio internacional, com impactos nos seguintes aspectos:

  • transações financeiras e comerciais;
  • estratégia das organizações;
  • flutuação dos preços;
  • competitividade das exportações;
  • riscos cambiais;
  • influência nas políticas comerciais.

Em síntese, os sistemas cambiais conseguem moldar a forma de operação das empresas, afetar a competitividade dos países e influenciar estratégias comerciais.

Por exemplo, um câmbio desvalorizado deixa os produtos de um país em específico com preço mais baixo no mercado, o que incentiva as exportações. Dessa forma, as empresas podem traçar estratégias para potencializar os ganhos diante deste cenário.

O que é e como funciona a taxa de câmbio?

A taxa de câmbio se refere ao preço aproximado que uma moeda tem em relação a outra específica. 

Ou seja, é a estimativa de quanto de uma moeda nacional é preciso para adquirir uma estrangeira, por exemplo.

Essa taxa sofre variações de aspectos políticos e econômicos do país, bem como acompanha as oscilações do mercado.

Tipos de taxas de câmbio

O que são Regimes Cambiais?

Há diferentes tipos de taxas de câmbio que possuem objetivos diferentes nos cenários das transações financeiras e comerciais.

Os principais tipos são:

  • taxa de câmbio à vista: que se refere ao tempo real dos valores para transações imediatas;
  • taxa de câmbio nominal: que representa a taxa simples de valor entre duas moedas;
  • taxa de câmbio real: que considera a inflação nas taxas nominais para ter uma ideia mais precisa dos valores das moedas;
  • taxa de câmbio a prazo: consiste na taxa acordada no momento para uma transação que ainda vai acontecer;
  • taxa de câmbio flexível: que é estabelecida com base na oferta e demanda do mercado internacional;
  • taxa de câmbio fixa: que é determinada pelos órgãos e instituições financeiras do país.

Se você procura otimizar os resultados da sua empresa, conte com a Narwal Sistemas!

Somos uma das maiores empresas de soluções de softwares em gestão de comércio internacional do Brasil.

Para isso, oferecemos soluções que visam deixar os nossos clientes muito mais competitivos no mercado. 

Isso é possível por meio das nossas ferramentas de gestão, que, inclusive, disponibilizam recursos para lidar com sistemas cambiais, como:

  • Contrato de Câmbio: geração e acompanhamento de contratos de câmbio, com possibilidade de integração com ERP.
  • Gestão de Parcelas de Câmbio: controle de parcelas de câmbio, com alertas e notificações para garantir o cumprimento das obrigações.
  • Controle de HEDGE, ACC: gestão de operações de hedge e ACC, com relatórios e análises para apoiar a tomada de decisão.
  • Gestão Financeira: integração com o BACEN para o envio de informações financeiras obrigatórias.
  • Controle Financeiro por processo: controle financeiro por processo, inclusive com Power BI, para uma gestão a vista de títulos em aberto de acordo com a moeda.

Confira as soluções da Narwal Sistemas e tenha acesso ao melhor software de comércio exterior do Brasil!

Regimes Cambiais: Entenda como afetam a economia

Conclusão

Neste conteúdo, você aprendeu o que são regimes cambiais, os tipos existentes, a influência que têm no comércio internacional e como funcionam as taxas de câmbio.

É possível tornar todo esse conhecimento em ferramentas estratégicas que vão ajudar a tomar decisões assertivas e aumentar a eficiência da gestão de comex do seu negócio.

Além disso, você pode contar com a Narwal Sistemas para ter softwares que otimizam os processos do dia a dia e potencializam os resultados no mercado.

Gostou deste conteúdo e quer aprender mais sobre gestão de comex e operações no exterior? Confira o blog da Narwal Sistemas!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *